terça-feira, 23 de outubro de 2012

ARUBA: PASSEIOS PRA TODOS OS GOSTOS! (MAS NÃO TODOS OS BOLSOS...)

Nossa viagem foi assim:
Época: Julho *****
Hotel: Marriott Stellaris & Casino
Faixa etária das crianças: 9-12 anos ***** 

Quem acompanhou nossa postagem anterior sobre Aruba já sabe que escolhemos esse destino no Caribe porque, além de ser muito acessível desde o Brasil, ainda reunia em um só lugar estrutura excelente, passeios com uma pitada de aventura, e bonitos mergulhos com cilindro.

Palm Beach, Aruba.

Como sempre fazemos aqui no nosso blog, agora vamos fazer um relato completo de todos os passeios que fizemos na ilha, com nossa opinião sincera sobre cada um. Assim, se você estiver pensando em visitar Aruba, já saberá o que esperar - pelo menos desses programas que nós já experimentamos!

Em Aruba, especialmente no que se refere a operadoras de mergulho, há muitas empresas improvisadas e sem qualidade. Além disso, o preço de uma para a outra varia pouco. Assim, ao invés de ficar pesquisando e batendo perna, optamos por fazer todos os nossos passeios com as empresas que tinham postos de atendimento no lobby do nosso hotel: a DePalm Tours (para os passeios turísticos) e a Red Sail Sports (para os mergulhos). Apesar de ter pago um pouco mais caro, não nos arrependemos: ambas são muito bem estruturadas, com atendimento profissional e raramente houve atrasos ou improvisos nos passeios.


Aruba é uma ilha bem pequena; é possível atravessar de um lado a outro em duas ou três horas. Mas, entre o lado oeste, onde fica Palm Beach com sua fileira de hotéis, e o norte, onde fica a costa mais selvagem da ilha, há quase um mundo de distância. Vale a pena passear pela costa desabitada da ilha, bem como fazer um passeio pelo Parque Nacional Arikok.

Um dos maiores destaques da ilha está, com certeza, embaixo d´água. Não que Aruba seja um destino preferencial dos mergulhadores, mas a infraestrutura da ilha e as águas calmas e agradáveis são perfeitas para introduzir as crianças ao mundo do snorkel e - quem sabe? - até do mergulho com cilindro!

A desvantagem de conhecer a ilha assim, através das agências de turismo, é o custo. Os passeios acabaram saindo mais caros do que esperávamos, mas todos eles valeram a pena. Se quiser economizar, é possível alugar um carro e passear pela ilha sem problema algum, pois as estradas são boas e é muito fácil navegar por ela. Com exceção da costa norte, que recomendamos fazer com uma agência, o restante pode ser conhecido por conta própria. Mas isso só vale para passeios em terra. Na água a história é outra, já que você precisará de embarcação e equipamentos para mergulhar. Daí não tem jeito, vai precisar se conformar em pagar um pouco mais pelos serviços!

1. Jeep Safari *****

Fizemos esse no penúltimo dia, mas colocamos em primeiro porque é um passeio absolutamente imperdível em Aruba. Se você for do tipo aventureiro, que não se importa em se perder por estradas pouco demarcadas e sem nenhuma sinalização, pode fazer esse passeio alugando um jipe e se embrenhando por conta própria. O trajeto não parece difícil, mas prepare-se para perguntar bastante e, quem sabe, até seguir um jipe das operadoras até as partes mais remotas da ilha, pois em alguns trechos a estrada é inexistente, e não há sinalização. Se estiver com crianças e não quiser correr risco de acabar perdido num mar de pedras e cactos, aconselhamos contratar o passeio junto às operadoras locais.

Ao contratar seu tour, preste bastante atenção nas paradas, pois elas variam um pouco. Basicamente o passeio consiste em um looping ao redor da ilha, indo até o noroeste mais remoto e selvagem, e fazendo paradas ao longo do caminho. Em nossa opinião, as paradas imprescindíveis são: a ponte natural (uma bem grande que existia caiu, e agora eles levam os turistas a arcos menores, mas fascinantes), o Parque Nacional Arikok e a piscina natural. Nenhum dos tours regulares da DePalm Tours incluía o Parque Nacional e a piscina natural num mesmo itinerário. Por isso, optamos por contratar, através da mesma agência, um guia e jipe particulares. Se sua família tiver 6 pessoas, o preço sairá praticamente o mesmo de um tour normal, com a vantagem de poder escolher os pontos de parada.

Capela Alto Vista
Apesar de bem caro, o passeio valeu cada centavo que pagamos. A motorista do nosso jipe era um pouco séria, porém prestativa e sabia muitas coisas sobre a ilha. A operadora fornece bebidas geladas, salgadinhos, frutas e barrinhas de cereal, além de botas e coletes infláveis para a piscina natural (as botas são imprescindíveis por causa das pedras).

Paramos no farol e na capela, em que todos os tours (até de ônibus) param. São muito cênicos e fartamente fotografados. Os lugares são interessantes, mas não requerem mais do que uns 5 minutos cada um. A ponte natural, apesar de interessante, também não tomará mais do que 5 minutos. Ela está localizada na parte mais selvagem de Aruba, onde a paisagem é tomada por pedras e o mar ruge logo abaixo, arremetendo violentamente contra a costa da ilha. A paisagem é deslumbrante e um pouco triste, pois durante todo o trajeto vemos o lixo trazido do mar se acumulando nas prainhas formadas pelas ondas.

Ponte Natural
Se você quiser, é possível parar em uma antiga mina em ruínas, onde dá para tirar fotos bem interessantes. Nós passamos direto pois estávamos com um pouco de pressa para chegar ao Parque Nacional Arikok antes de fechar. Isso mesmo, se seu tour for na parte da tarde, informe-se sobre o horário de funcionamento do parque, ou corre o risco de não conseguir acessá-lo. Também é uma boa ideia evitar ir antes das 15h, pois o sol é muito forte e o calor, escaldante.

Cadê a coruja?
O parque é um capítulo à parte. Para quem gosta de caminhar um pouco e ter contato com a natureza, recomendamos contratar um dos guias do parque e fazer a pequena trilha que leva até a casa cunucu (moradia tradicional de pau-a-pique de Aruba) e passa por trechos rodeados de cactos e árvores nativas. No caminho para a casa, há uma pequena caverna com morcegos e pinturas rupestres. A trilha dura pouco mais de 1 hora e é muito interessante.

Nosso guia entendia muito da fauna e flora locais, e nos ajudou a identificar inúmeras espécies vegetais, experimentar o fruto do cacto, e avistar vários tipos de aves e pequenos animais, inclusive corujas nativas da ilha. Definitivamente um passeio que vale a pena, e é possível fazer até mesmo indepentemente do jeep safari.

Além do parque, a outra parada imperdível do passeio é a piscina natural. Desde o local onde se estacionam os veículos, a paisagem já é deslumbrante. Antes de descer para a piscina (ou logo depois de voltar), não deixe de admirar e fotografar a costa selvagem de Aruba. Nós chegamos à piscina natural no final da tarde, e quando saímos o sol já estava quase se pondo, banhando tudo com uma luz mágica e deixando a paisagem ainda mais bonita. A descida até a água é íngreme, feita por uma escada com degraus irregulares. Não é recomendável para quem tem mobilidade reduzida ou crianças muito pequenas.

Piscina natural.
A operadora provê botinhas de neoprene (use-as ou vai machucar seus pés) e coletes salva-vidas. Leve uma ou duas toalhas para enxugar as crianças ao sair da água. Evite levar câmeras, a não ser que sejam à prova d´água. Ao final da descida, você precisará transpor algumas pedras para chegar à água. Nesse ponto você poderá deixar toalhas e objetos sem valor, para poder entrar na área da piscina. O snorkel que se faz lá é muito bonito, com muitos peixes confinados em um espaço pequeno e água limpa e transparente. Mas não há lugar para deixar nenhum objeto, e a água bate constantemente, arriscando molhar qualquer coisa que esteja por perto.

O Jeep Safari não é recomendado para pessoas com problemas na coluna ou nos rins. A suspensão dos veículos é muito dura, e a estrada é bem acidentada. Assim, você andará o caminho todo chacoalhando violentamente de um lado para o outro. Aliás, é necessário tomar cuidado até mesmo com objetos soltos, como câmeras, sacolas e chapéus, pois tudo é arremessado de um lado para o outro o tempo todo. Mas é um passeio lindo, que mostra a parte mais bela de Aruba. Se tiver a oportunidade de fazê-lo, não deixe passar!

2. DePalm Island - com crianças ***** - sem crianças ***

Outro passeio um tanto caro, mas com um custo-benefício que vale a pena para as famílias com crianças. Existem duas opções, meio dia ou dia inteiro. Na prática, diferem pouco entre si, e, sinceramente, um dia inteiro é um pouco demais para ficar por lá. Mesmo optando pelo passeio de "meio dia", você só estará de volta ao seu hotel quase às 3 da tarde.

A ilha é propriedade da operadora DePalm, portanto você só conseguirá contratar o passeio através deles. O transfer de ônibus de ida e volta até o píer onde se embarca para a ilha está incluso. O local é um pouco longe, cerca de 30 a 40 minutos de ônibus, próximo à cervejaria Balashi. Existe a opção de fazer esse trajeto de barco, que deve ser bem mais interessante, mas no dia em que fomos para a ilha estava indisponível. O ônibus é pontual, limpo e confortável.

Prainha com espreguiçadeiras.
Chegando ao píer, você fará um check-in no balcão de atendimento, e receberá uma pulseirinha colorida que dá direito a acessar quase tudo na ilha. Em seguida pequenos barcos levam os passageiros até a ilha, um trajeto de não mais que 5 minutos.

Para esse passeio, leve apenas toalhas, canga para forrar as cadeiras, protetor solar, chapéu e óculos de sol. Uma muda de roupa para ninguém ter que voltar para o hotel molhado também é uma boa precaução. Não é preciso levar água ou lanche (a não ser que seus filhos não gostem das comidas oferecidas na ilha). O lugar é muito limpo e bem estruturado, e de uma ponta a outra da ilha não se leva mais do que 5 minutos caminhando.

Parque aquático: horas de diversão!
Ao chegar lá, você é recepcionado por um café-da-manhã razoável. Assim, no dia desse passeio você não precisa tomar café no hotel (que geralmente não está incluso na diária e tem que ser pago à parte). Estão inclusos também lanchinhos, almoço e bebidas o dia todo (inclusive chopp à vontade), o que faz desse passeio um dos melhores custos-benefícios da ilha. O almoço é no estilo barbecue americano, com costelas de porco, frango assado, milho, purê de batata, salada e arroz. Nossa família se esbaldou, pois se tem uma coisa difícil de achar em Aruba é arroz! A comida não é a melhor que já comemos, mas, por ser all inclusive e servida numa ilha, onde não há mais nenhuma opção a menos de 1 hora a nado, estava bem melhor do que esperávamos!

O almoço e o café-da-manhã são servidos num restaurante numa ponta da ilha, com vistas lindas para o mar, enquanto do outro lado, próximo às praias, existe um bar que serve bebidas, hot dogs, cheeseburgers e petiscos o dia todo.

Área de snorkel.
Quanto às atividades, estão incluídos no preço do ingresso o snorkel, parque aquático, acesso às praias e algumas atividades com monitores. Se você não for mergulhador e quiser experimentar o fundo do mar, uma vez na ilha você pode contratar o SeaTrek, que consiste em andar no fundo do mar com um capacete que permite respirar normalmente. Como já tínhamos nossos mergulhos com cilindro agendados para o dia seguinte, não fizemos essa atividade.

O snorkel na ilha é muito interessante e bom para iniciantes. Eles emprestam todos os equipamentos, tudo em bom estado e limpo, portanto não precisa se preocupar em levar nada. Você se equipa e desce uma escadinha até a água - uma parte do recife cercada com boias, onde vivem vários peixes. O destaque são dezenas de peixes-papagaio, bem grandes e azuis, que deslumbram crianças e adultos. Apesar de a água ser um pouco agitada, em todas as partes é possível ficar em pé, e é muito fácil avistar os peixes.

Aula de salsa no bar.
O parque aquático é uma grande estrutura única, com escadinhas, esguichos e cerca de 5 escorregadores grandes. Há tubos fechados, abertos, mais velozes e mais lentos. É um local ideal para deixar as crianças maiorzinhas brincarem livremente sem a interferência dos adultos. Para as menorzinhas, também há escorregadores menores, e um adulto poderá acompanhá-las facilmente, pois a água chega no máximo até a altura dos joelhos.

À esquerda, restaurante debruçado
sobre o mar.
Existem 2 praias parecidas, artificialmente criadas e com várias espreguiçadeiras na areia. As prainhas são bem bonitas, de águas calmas e incrivelmente azuis. Experimente entrar de snorkel e máscara, e verá mais alguns tipos de peixes que não encontrará na área de snorkel. Depois de todas as atividades na ilha, pegar uma bebida gelada e um hot dog no bar, deitar na espreguiçadeira e ficar observando as crianças brincando na praia é uma delícia!

Ao final do passeio, cuidado para não perder a hora! Basta recolher seus pertences e se encaminhar para o píer, e o barco estará esperando por você, para iniciar o trajeto de volta.

3. Submarino Atlantis *****

Nosso filho é fascinado pelo fundo do mar, e esse foi o passeio de que ele mais gostou em Aruba. Como ele foi com os avós enquanto estávamos mergulhando de scuba, teremos que confiar no relato dele para dar a avaliação desta atração!

Esse é um dos poucos passeios de Aruba que não inclui o transfer desde o hotel. Você terá que pegar um táxi até Oranjestaad, onde embarcará rumo ao submarino. O lugar fica na frente do hotel Renaissance, muito fácil de achar e todos os taxistas conhecem. Ao chegar lá, você deve se apresentar no balcão do Atlantis, onde será encaminhado para o embarque.

Interior do submarino
(imagem do site do Atlantis)
O submarino propriamente dito fica o tempo todo em alto-mar. Uma embarcação leva os passageiros do píer até o local do submarino. Ao chegar lá, você passará do barco para o submarino, entrando pela escotilha e acomodando-se nos bancos em frente às janelinhas. Daí o submarino começa sua descida ao fundo do mar, e dá uma volta de cerca de 30 minutos. O recife que é visitado tem muita vida, e vocês poderão avistar peixes, corais, moreias e até barracudas! Há cartões de referência com imagens e nomes dos peixes que estão do lado de fora, na janela.

Este é um submarino de verdade, que desce a 40 metros de profundidade. Portanto se seus filhos são fascinados por esse tipo de experiência, um programa imperdível em Aruba. Obviamente não é recomendado para quem sofre de claustrofobia, e, dependendo do dia, pode deixar enjoados aqueles que têm o estômago fraco.

4. Passeio de snorkel em catamarã ****

Tanto a DePalm Tours quanto a Red Sail Sports oferecem esse tipo de passeio. Aparentemente, não há muita diferença entre eles. Nós fizemos o da DePalm, e mais uma vez fomos levados de ônibus até o local de embarque, um píer próximo ao hotel Riu em Palm Beach.

Existe a possibilidade de fazer snorkel em outros tipos de embarcação, mas recomendamos o catamarã, pois, além de muito espaçoso e agradável, ainda tem a vantagem de balançar muito pouco, evitando enjoos que podem surgir quando se fica ancorado por muito tempo no meio do mar.

Escadinha de acesso à água.
A princípio, ficamos um pouco assustados com a quantidade de turistas no passeio. O barco estava lotado de gente, e ficamos receosos de que tudo fosse um desastre! Entramos na longa fila para embarcar, e encontramos logo um lugar seco na parte coberta do catamarã para deixar nossas roupas e sacolas. A distribuição de snorkels e nadadeiras é feita logo no embarque, portanto é uma boa ideia saber o número do seu sapato no sistema norte-americano, para o funcionário encontrar rapidamente sua nadadeira. Você pode guardar tudo junto lá dentro, num banco, e ficar despreocupado pois ninguém mexe nas coisas. Claro que não é recomendável deixar valores ou coisas caras à vista.

Saímos para o convés e ficamos admirando a paisagem enquanto o catamarã se encaminhava languidamente para o primeiro ponto de snorkel. Ao chegar no local, todos se equipam e formam uma pequena fila para descer até a água. A fila anda razoavelmente bem, portanto não é nada insuportável. Se não quiser ficar esperando, deixe-se ficar um pouco mais e seja um dos últimos a entrar na água. O tempo que ficamos em cada ponto é suficiente para explorar e voltar para o barco.

O acesso à água é feito pela frente do catamarã, descendo-se uma longa escadinha que dá literalmente dentro da água. Pode-se até pular pelas laterais da embarcação, mas não é necessário, e nem recomendável para aqueles que não têm experiência no mar. Uma vez dentro da água, saiba que a profundidade não dá pé, portanto se tiver receio ou não souber nadar, é melhor não se arriscar. Contudo, a água é transparente e cheia de vida. Geralmente, olhando-se diretamente para baixo dá pra ver o fundo do mar. Portanto, um ótimo lugar para sua primeira aventura no mar!

Antes de todos caírem na água, um membro da tripulação dá as coordenadas, sobre quanto tempo permanecerão no local, para que lado estão localizados os recifes ou naufrágios, onde há mais coisas para ver, e a direção da corrente, que normalmente é bem fraquinha. Preste atenção nas explicações, para poder ter uma experiência mais rica e menos estressante. Todos ficam na água o tempo que quiserem, e alguns minutos antes de zarpar a tripulação dá sinais aos últimos que ainda estiverem mergulhando para retornarem. No momento em que todos descem à água, parece um formigueiro de gente, mas aos poucos as pessoas vão se espalhando pelo perímetro e o mergulho se torna agradável.

Normalmente são 2 paradas em recifes ou naufrágios pouco profundos. Nós paramos no Pedernales (naufrágio muito rico em vida, onde avistamos até barracudas) e no Arashi Reef (recife bem raso onde vimos muitas espécies de peixes, corais e gorgônias, e até mesmo um cardume de lulas). No intervalo entre um mergulho e outro, a bordo, são servidas bebidas à vontade, espetos com frutas frescas e alguns sanduíches.

O passeio é muito bonito e interessante, a tripulação é eficiente e cortês, e, apesar de lotado de gente, tudo funciona muito bem. No final das contas, foi uma tarde tranquila e relaxante, e ainda por cima vimos lindas criaturas no fundo do mar!

5. Mergulho de scuba ****

Foi o melhor mergulho da nossa vida? Não. Faríamos tudo de novo se voltássemos a Aruba? Siiiim!

Aruba não é um destino PARA mergulhadores, como Bonaire ou Cuba. Mas, uma vez estando lá, vale a pena fazer os mergulhos oferecidos. Para os mais experientes, há a costa sul da ilha, onde o mar é mais bravio e agitado, há mergulhos mais profundos e com correnteza mais forte. Como fazia 2 anos que não mergulhávamos, a operadora não permitiu que fôssemos para lá, portanto fizemos os mergulhos da costa oeste, em áreas protegidas das ondas e repletas de vida. O destaque em Aruba são os naufrágios, muito acessíveis e com uma rica vida marinha.


Peixe-sapo: raridade.
O Pedernales, por exemplo, é um naufrágio a pouca profundidade, cujos destroços estão espalhados em 3 grupos pequenos. Não dá para reconhecer grande coisa da estrutura, mas a vida marinha no local é muito abundante e bela. Se você mergulha para ver grandes moreias, tubarões e arraias, não vai achar muita graça. Se você gosta de pequenas e fascinantes criaturas, esse é o lugar para você. Vimos uma infinidade de poliquetas, ouriços, caranguejos, pequenos invertebrados, anêmonas, peixe escorpião, e, a joia da coroa, um peixe-sapo. Algumas moreias também habitam os destroços do navio, e em nosso mergulho vimos duas.


Antilha: cada centímetro é coberto
por vida marinha.
Já o Antilha é um dos mais famosos naufrágios de Aruba, com profundidade máxima maior do que do Pedernales, mas a maior parte dos corais e peixes ocupa a parte superior do navio, bem próxima à superfície. Isso faz do Antilha um ponto muito popular para snorkel também. Cada centímetro da estrutura é coberto por milhares de corais, poliquetas, anêmonas e outros seres. Cardumes de peixes muito coloridos e variados nadam sobre esse verdadeiro jardim subaquático. O navio é muito grande e dá para reconhecer as partes conforme você vai navegando por ele.


Baiacu no Antilha.
A facilidade de contratar e embarcar nos mergulhos em Aruba, estando em Palm Beach, é notável. Fizemos as reservas no quiosque da Red Sail em frente ao nosso hotel. Na manhã seguinte, o transfer veio nos buscar na porta do hotel, e fomos deixados no Hilton, onde fica o píer da empresa. Aliás, se um dos seus principais objetivos em Aruba é mergulhar, aconselhamos se hospedar nos hotéis próximos ao Hilton (ou no próprio, se a verba permitir), para poder acessar o píer mais facilmente. Se tiver interesse em levar seus filhos para um primeiro mergulho, é um destino ideal. Inscreva-os no curso e no batismo em sua cidade, e depois de receberem o certificado façam o primeiro mergulho de verdade em Aruba. Os mergulhos são fáceis e agradáveis.


Pequenas criaturas habitam
o Pedernalis.
Passamos no balcão dentro do hotel, próximo às piscinas, para pegar nossos equipamentos alugados (coletes, reguladores e nadadeiras do local estão em ótimo estado), e fomos ao píer na praia para fazer o check-in. Após uma breve espera, fomos direcionados à embarcação e partimos para o mergulho.


Moreia no Pedernalis.
Se for na costa oeste, os trajetos levam no máximo 20, 30 minutos. A paisagem é deslumbrante, especialmente pela cor da água, com os hotéis ao fundo. A água é transparente, mas não tão clara quanto esperávamos. A temperatura é ótima: nem tão quente que ficássemos cansados, nem tão fria que tivéssemos que usar muita roupa. Uma roupa de neoprene curta com mangas longas foi suficiente.

6. Parasail *****

Parece muito radical, mas não é! O passeio de parasail, apesar de também ser caro, é super recomendado para quase todas as idades. Não devem ir nele crianças muito pequenas ou adultos que não saibam nadar. Isso porque o equilíbrio corporal é importante na decolagem e na aterrissagem, e, caso tudo o mais dê errado e você acabe indo parar no mar, será necessário saber nadar um pouco (apesar de que são usados coletes salva vidas, e nunca ouvimos falar de ninguém que caiu na água).

Fora esses cuidados, o passeio em si é muito agradável e a vista, sensacional! Contratamos o passeio diretamente no quiosque que ficava na areia da praia, em frente ao nosso hotel. Todo mundo embarca direto da praia de Palm Beach nas lanchas, que vão para o alto mar onde podem pegar bastante velocidade. Geralmente as saídas levam de 2 a 6 pessoas que vão subir no pára quedas, e que vão se revezando no ar. Assim, apesar de a subida em si ser rápida (10, no máximo 15 minutos), a volta pode demorar um pouco porque você terá que esperar todo mundo subir para poder voltar à praia. Nesse meio tempo, vá curtindo a vista do mar e a deliciosa reação dos seus companheiros de aventura quando são içados ao ar pelo pára quedas enfunado pelo vento.

A sensação de estar lá no alto, sendo empinado que nem uma pipa pelo barco em alta velocidade, e escutando somente o barulho do vento e as risadas de seu filho, é impagável. A vista é muito bonita, com certeza o ponto alto do passeio. Você vê o mar tingido de todos os tons possíveis - e impossíveis - de azul, e, se prestar atenção, poderá até ver os corais ao fundo e alguma coisa nadando no mar! Ao fundo, a praia com a silhueta dos hotéis e o resto da ilha logo atrás.

A decolagem e a aterrissagem são feitas diretamente sobre a popa da embarcação, de modo que você não vai nem sequer se molhar. Recomendamos ir de shorts e camiseta. O bumbum fica bem exposto na subida e na descida, de modo que o uso de shorts é recomendado. E o colete salva vidas não é exatamente a coisa mais limpa do mundo, depois de ter passado por várias pessoas antes de você. Então, a camiseta serve para te proteger dele.

Bom, esses foram os passeios que fizemos com as operadoras enquanto ficamos em Aruba. Saldo final: 4 mergulhos com snorkel, 1 mergulho em submarino, 4 mergulhos com scuba (só os pais!), 2 voos de parasail, 5 horas chacoalhando num jipe, caminhada no Parque Nacional, 3 horas de parque aquático, 7 dias de sol e praia!

Nada mal para uma semana, não é mesmo? E se você tiver tempo para dar uma esticada, vale a pena pegar os voos das companhias locais e ir passar alguns dias nas ilhas próximas: Curaçao, Bonaire e Los Roques. Mas se só tiver tempo para Aruba, pode ir sem medo: nossa família definitivamente recomenda!